sexta-feira, 13 de julho de 2012

Novas afegãs

PROJETO DE LIVRO NOVAS AFEGAS
http://www.kisskissbankbank.com/nouvelles-afghanes

Somos um grupo franco-brasileiro que deseja escrever um livro de bolso com contos curtos e fotografias do Afeganistão. Serão inspiradas nos diversos encontros que faremos durante o mês de agosto, durante o qual buscaremos as mulheres que vivem neste país, ainda pouco acessível.

Consecutivas guerras ocorrem nesta região desde 1978, entretanto, a população continua tomando seu café da manhã, as crianças brincam na rua e a paisagem natural é uma das mais incríveis da Ásia Central, às bordas do Himalaia. Raramente pensamos no belo, com tantas imagens chocantes da rede Globo que apenas relata a perspectiva dos soldados americanos.

Em Istalef, Alice Plane 2012

MULHERES AFEGAS
O combate que mais nos interessa é o das mulheres, que se tornou ainda mais difícil a partir dos anos 90, com o regime talibã, extremamente repressivo principalmente para elas. As afegãs estão às margens da batalha, invisíveis, mas vivendo no palco das operações de guerra.

O livro que queremos publicar será um relato inspirado nos nossos encontros com essas mulheres. Primeiro as afegãs, de Kaboul e das cidades do interior do país, com exceção do sul, em direção com a fronteira do Paquistão, onde não de pode acessar, por questão de segurança. Também história de mulheres estrangeiras que trabalham e vivem por lá, e que por sua nacionalidade, odem ter outro papel na sociedade.

Não queremos fazer jornalismo ou reportagem, e sim contos que escreveremos a várias mãos e em duas línguas, português e francês.

Musculacao e Burqa. Alice Plane 2012

Acreditamos que encontrar pessoas e divulgar o que estão vivendo no país irá contribuir com o processo de pacificação, somando às iniciativas existentes (como a cooperação técnica entre Brasil e Afeganistão de agricultura, a retirada dos soldados franceses em 2013...).

Para nos guiar no país, contaremos com Alice Plane, francesa que vive em Cabul desde novembro, trabalhando com ONGs que desenvolvem programas sociais. Ela é escritora e seu primeiro livro, chamado A l'auberge de l'Orient - Seule sur les routes d'Asie Centrale, ed. Transborréal, conta sua primeira viagem sozinha na Asia Central, também sobre a perspectiva das mulheres.

Outra pessoa que encontraremos por lá sera Solene Chalvon, que trabalha na associacao Ni putes ni soumises (nem putas nem submissas) de apoio ao direito das mulheres.

Proverbio afegao:  O trabalho de uma mulher vale mais do que um discurso de cem homens.

Em Cabul encontraremos as jovens do "Young women for change" grupo de ativistas feministas que abriram um cyber café somente para as mulheres num bairro popular. Antes elas eram coibidas nestes lugares, e assim, não acessavam a internet, já que os homens passavam horas em frente ao computador para baixando filmes pornos.

Em outras províncias, passaremos por Mazar, Herat, em Ghazni. Caminharemos durante alguns dias no vale do Panjshir, que foi bombardeado pelo exercito sovietico e por isso, paradoxalmente, as minas de esmeralda foram abertas e puderam financiar a rebeliao contra os russos. Este vale interminavel foi tambem importante no combate contra os talibas e que comunica Norte e o Leste do pais por onde milhares de refugiados conseguiram escapar.

“Hindu Kusch, diante de Doab: O Ford na estrada”Afeganistão, 1939

Temos alguns livros que nos inspiram, como "Le Photographe" (Emmanuel Guibert, Frédéric Lemercier,  Didier Lefèvre), Aya de Yopougon (Marguerite Abouet e Clément Oubrerie) um livro em quadrinhos que conta belamente histórias da Costa do Marfim, na África, e "Bleu immortel: voyages en Afghanistan" que reúne fotos e relatos de viagens em dois períodos na Ásia Central, incluíndo o Afeganistão Annemarie Schwarzenbach e Ella Maillart (1939) e Nicolas Bouvier (1953).

Para o valor do projeto queremos ter o suficiente para editar e imprimir alguns exemplares do livro, que terá cerca de 50 páginas, cerca de 1000 reais. Não incluímos as passagens e gastos no local, que serão altos, cerca de 10 mil reais. Claro que ficaríamos mais do que satisfeitos se nossa arrecadação ultrapassar o valor pedido. Por isso contamos com você que acredita nesse projeto!

E se você seguiu nossa história até aqui, quer dizer que você é um forte candidato a ser nosso parceiro nessa aventura !

Veja como nos financiar e como receber belos objetos do Afeganistao.
http://www.kisskissbankbank.com/nouvelles-afghanes